Jogo de manipulação e poder no mercado editorial em Navalhas Pendentes

Obra do romancista, articulista e médico Paulo Rosenbaum tem como pano de fundo ficcional um misterioso submundo da produção editorial e a discutível usina de bestsellers

Médico, articulista e romancista, Paulo Rosenbaum lança Navalhas pendentes, livro envolto em suspense e mistérios que trata de um ficcional submundo das letras/mercado da edição. É uma ficção sobre a própria origem da ficção. Como “nascem” e se sustentam os best-sellers  das grandes editoras? Como se transformam em meros produtos de consumo? Ou autores que enviam seus originais para avaliação editorial tem ideia dos trâmites que seus livros enfrentam?

“O personagem principal, Homero Arp Montefiori, esbarra em questões como essas. Tudo começa quando colhe uma informação que preferiria não ter registrado. Assim, vira alvo dos riscos de quem confronta o monopólio intelectual. “Navalhas pendentes discute originalidade e plágio, mercado e criatividade, memória e ficção, inteligência artificial e o que significa ser humano”, na resenha do professor de literatura da Universidade Federal de Minas Gerais, Julio Jeha, publicada no Jornal “O Estado de Minas”, que também destaca a multiplicidade de gêneros abarcados pela obra: “É, ao mesmo tempo, uma trama policial e ficção científica.”

Para o articulista e jurista Flávio Goldberg em resenha publicada no diário Migalhas: “O livro faz parte de uma vasta arquitetura cultural do autor na qual se inclui desde uma filosofia médica até os artigos publicados na mídia e cuja configuração se distingue por uma percepção sensorial cósmica da existência.”

Berta Waldman, doutora em Literatura Comparada e Teoria Literária pela Universidade de São Paulo, nos dá uma pista do que o leitor deve esperar: “A Editora Filamentos faz parte do maior conglomerado editorial do mundo, sendo que, desde a incorporação pela gigante emergente KGF-Forster©?, vê as vendas de livros dispararem. Homero, um colaborador, fica intrigado com essa indústria de best-sellers, especialmente os assinados pelo misterioso escritor Karel F. A curiosidade sobre a verdadeira identidade desse autor transforma-se em obsessão, levando-o a uma investigação particular.”

Se os indícios que Homero coleta em sua investigação errática colaborar para elucidar o que está por trás do sucesso desproporcional de certos livros da Filamentos, é algo que o leitor só descobrirá ao percorrer esta instigante publicação de Rosenbaum.

O que é possível antecipar aos leitores sem correr o risco de dar “spoiler” é que as perturbadoras descobertas do protagonista o colocam em um jogo perigoso que se amplia a cada página. A ponto de sua carreira ser destruída, sua vida ameaçada e as suas já frágeis relações com o mundo, desconectadas.

Acusado de crimes com provas vagas, ele é obrigado a fugir, enquanto busca evidências de sua inocência. Resta-lhe descobrir detalhes e expor a assustadora conspiração, o monopólio das ideias e o controle da produção cultural.

Em “Navalhas Pendentes” de acordo com a resenha da jornalista e escritora premiada, Cintia Moscovitch publicada no jornal Zero Hora: “além de oferecer uma história surpreendente, na qual seus conhecimentos médicos são utilíssimos, o autor coloca em xeque a liberdade autoral, a liberdade dos leitores e a dimensão por vezes esquemática das narrativas em que estamos todos mergulhados. Grande livro e grande projeto gráfico.”

Leia “Navalhas Pendentes” e descubra por que o óbvio é conspiratório.

Trecho do livro

“Um cidadão belga, ourives de Antuérpia, sonhou que fora atacado por aranhas e amanheceu gravemente enfermo, intoxicado e com falência renal aguda. Os exames laboratoriais indicavam envenenamento. Intrigados, os médicos reviraram o paciente numa intensa investigação clínica. Analisado o sangue, isolou-se o veneno responsável pelo quadro de sintomas: a estrutura química era de uma peçonha pouco plausível, pois provinha da aranha marrom, Loxosceles reclusa, também conhecida como “aranha violino”, só existente da região sul da América do Norte até o México. Finalmente, nenhum vestígio de picada ou da presença da aranha foi encontrado. O que os pesquisadores se perguntavam era se o organismo teria a capacidade de sintetizar e replicar moléculas de uma proteína necrosante. A ciência ainda não consegue explicar o fenômeno.” (p. X).

fonte: https://www.abcdoabc.com.br/brasil-mundo/noticia/jogo-manipulacao-poder-mercado-editorial-navalhas-pendentes-138649

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.